26/11/2010

RECORTES DE NOSSO AMOR


Doses de veneno,
beijo de agradecimento.
Teu sorriso falso,
E minha reciprocidade.
Na lágrima que desenha a cicatriz.
No rosto pálido de meretriz.
No batom vermelho de sangue.
Amores e bofetões.
Sexo e camisa de força.
Calma, tudo acabou,
O sangue parou de escoar,
O sorriso se fechou,
A bebida matou de sede,
E o corpo dorme .

12/11/2010

CONTRADIÇÕES


A poesia dos que não amam.
A felicidade dos que sofrem.
A conquista dos derrotados,
E a derrota dos vencedores.
O êxtase da angustia.
A vontade de dizer algo,
De cobrir de prazer o corpo,
No amargo amor de todos os dias.

11/11/2010

A TAREFA DE VIVER


Amores sem sabor.
Dores, acariciadas e sem fim.
Passos e a vontade de não prosseguir.
Amigos, perdas anunciadas.
Lembranças , momentos quase superados.
Moradias,esconderijos imperfeitos.
Praças, sentido do tédio.
Religiões,miséria dos homens.
Sociedade,reinado dos palhaços .

Suspiros num mundo de asfixia.
Em todo momento, 
Em cada fragmento de vida,
Um parto realiza-se, 
Silêncio, espaços que se abrem,
Em direção ao mais absoluto nada.