18/12/2010

CONDENADOS AO SENTIDO.


A lógica metrifica,
A religião distorce,
Perdidos na confusão,
Buscando entender,
Impelir  a mudança,
Mas são todos loucos e sábios
Afogados em contradições.
Quando pensam ter desenhado os padrões,
Entram em convulsões,
Deslocados entre incompreensões.
Enquanto a escrita cria a fantasia,
De fixação de algo,
Mas o verbo não capta a ação,
O movimento leva a paralisia
E a espera pelas marretadas do tempo
Devoram as últimas cogitações.