22/01/2011

POEMA CRISTÃO



Definitivamente é definitivo,
Não esperarei mais o canto do sabiá.
Vou dormir cagado e sozinho.
E se alguém me acordar,
Vou atira-lhe a minha última sinfonia.
E a boceta será a testemunha muda,
Que vai denunciar,
A morte definitiva,
Daquele que há muito morreu,
Pregado na fobia,
Daqueles que o amavam.

12/01/2011

Silêncio



"Só compreendemos a ausência ou a morte de um amigo no momento em que esperamos dele uma resposta e sentimos que ela não existirá mais:por isso,primeiramente evitamos interrogar para não ter de perceber esse silêncio:nós nos desviamos das regiões de nossa vida em que poderiamos encontrar esse nada."

MERLEAU-PONTY. FENOMENOLOGIA DA PERCEPÇÃO. P. 120

08/01/2011

PERGUNTAS FÚTEIS



Encarnamos papeis, que nos fazem adentrar num mundo imaginário,sonhamos com amores, empregos dignos e felicidades tranquilas. Mas o que fazer quando a fenda se abre,quando percebemos que tudo é um grande teatro a céu aberto e que a ilusão não sustenta mais o cotidiano maçante? 
O suicídio pode ser a solução, mas é uma decisão que se realiza mais na ação do que na reflexão, quem pensa muito não puxa o gatilho. 
Mas o suicídio se tornou tão senso comum,parece até que todos andam com a lâmina a acariciar o pescoço,só esperando o peso da gravidade agir. È tão decepcionante chegar a respostas óbvias. 
O outro deve ser glorificado ou violentado,pelo fato de ser o objeto de nossa condenação? Sinceramente, não sei,os ombros são  aconchegantes e  e refazem a lógica.
Melhor mesmo é continuar fingindo que o mundo gira em torno das minhas abstrações,que devo ser ético,já que preciso do pão macio e do café quente.

02/01/2011

O QUE É NIILISMO?

      
Niilismo não é um assunto ou mesmo uma temática delimitada por determinada disciplina,trata-se de atitude em relação a vida e aos outros,uma forma de pautar a existência no aspecto efêmero das coisas e das pessoas. É conceber que tudo pode ser de outra forma,que outra história é possível,que não amamos sempre o mesmo,e que sempre devemos estar dispostos a destruir convicções, numa atitude criativa e renovadora. A violência é a forma de expressão essencial em relação a nós e aos outros.A violência da destruição que cria.