19/08/2012

DIÁLOGO VAZIO



   
Sempre que não consegue se concentrar em nada,Ricardo vai à praça, de preferência nos finais de semana, logo após o meio dia. Lá fica sentado olhando as arvores e as pessoas, sendo que às vezes não é possível perceber diferença. Ele fica sentado com um livro ao lado, que geralmente não ler uma palavra.

Dessa vez, mais que o livro, apareceu seu amigo Marcos. Olhar brilhante e cabeça dispersa, sentou-se a alguns centímetros do livro, que o fez soltar um leve sorriso ao ver as páginas abertas, que ele sabia, que naquele dia, não tinham sido tocadas por olhar algum,mas de todo modo preferiu não tocar no assunto. Vai que o mesmo introduz a conversa:

-O dia está quente, não acha?

-Deve ser por causa do sol.

-Com certeza.


O dialogo se cessa por alguns segundos, o motivo não se sabe,apenas se pode ver que os dois desviam os olhares,um para baixo e o outro para o lado.Até que Ricardo pergunta:


-O que veio fazer aqui?


-Precisava sair de casa, minha noite não foi nada boa.


-O que aconteceu?

-Minha namorada...Nós terminamos...Eu não estava mais aguentando aquela situação toda.Não tinha sexo,e além do mais, a minha situação financeira não ajudava.Estava me sentindo pressionado por aquela mulher, que mais parecia uma caixa registradora. Não sei se você já passou por isso,sentir que ela está se afastando por causa de dinheiro.

-Não...Isso jamais aconteceria comigo. Sempre combino o preço antes.

-Do jeito que você fala, parece que toda mulher é prostituta.

-Não...Todas não, só aquelas com quem mantenho relacionamentos.

-Vou acreditar. Mas mudando de assunto, como vai o trabalho?

-Ótimo, pelo menos enquanto acreditarem que realmente trabalho,e continuarem pagando o salário pelo trabalho que finjo fazer.

-Como você consegue?

-Na verdade não é que tenha prazer em fazer o que não faço, mas simplesmente que me dei conta, que não tem nada mesmo pra fazer no trabalho.Nós somos pagos não para trabalhar,mas pra não fazer o que realmente desejamos.

-É pode ser, mas de todo modo,não consigo manter esse distanciamento que você fala. Sempre me sinto estressado, as vezes com vontade de dar um soco no primeiro que aparecer pelo caminho. Mas ai acabo ficando calmo, devido a outras preocupações .

-Isso significa que o seu trabalho está cumprindo a função que lhe é atribuída, ou seja, impossibilitar o seu prazer. Ele não permite sequer o seu estresse, porque você sabe que no dia seguinte vai ter um outro dia igualzinho a este último que você passou,e ai vai ter que se acalmar para continuar tudo de novo...Pelo resto da sua vida. E nem o soco você tem, porque o soco é a sua prisão. E você prefere a ilusão de liberdade, que é comprada todo dia, nas esquinas e nas bodegas.

-Hoje você quer me colocar pra baixo.

-Isso é impossível. Sua cara, tem mais lama do que pele.

-Muito bem,se é assim prefiro ir pra casa.

-Se é assim que prefere...Até logo.


-Até...