06/08/2012

Pobres De Todas as Classes.


Como nós somos pobres,quanto mais dinheiro conseguimos mais sacolas temos que ter, para carregar nossos valores. Aprendemos a olhar o relógio para saber quanto tempo estamos perdendo,já que tudo tem um preço,com o tempo não é diferente. A nossa feiura é sempre muito grande pra ser escondida pelas roupas que compramos no dia anterior,por isso voltamos a loja e cobrimos nossa cara e nosso corpo com uma nova embalagem,já que também queremos ser consumidos. Somos profissionais prostituídos, fracos que temem o reflexo no espelho, medíocres em busca de remédios que nos tornem normais e padronizados,  no comportamento e na fachada.
Olhamos para sermos vistos,nossa vitrine é a rua,nosso mundo é o shopping,onde os manequins se confundem com os homens,e vice-versa. Somos músculos falantes,feitos de gel e silicone, a procura de livros de auto ajuda que atribuam significados superficiais a nossa sede por espelhos  e combustíveis aditivados. Nossa vida é uma droga em todos os sentidos,nos drogamos para acorda e para dormir,para correr e para se divertir. Queremos possuir tudo e todos,o dinheiro é o limite da nossa imaginação,acreditamos no poder do dinheiro e a ele obedecemos como a um Deus. Somos prostitutas que não conseguem sentir o próprio orgasmo. Fazemos musculação pra ter a ilusão que podemos erguer algo,corremos, com a fantasia de estarmos nos movendo,mas a praça sempre nos leva ao mesmo ponto e a desidratação nos dar músculos e nos tira a força. A televisão nos ensina a mentir,a escola nos faz obedecer e a religião que resta, só serve para mostrar o resto de lixo que somos.