16/09/2012

VIOLÃO VELHO


Tenho um violão velho,
Com cordas, madeira e solidão.
Escrevo letras de músicas,
Mas desconheço a melodia.
A madeira não fala,
As cordas não cantam,
E a solidão não pode dançar.
E assim  ouço,
Sem entender bem o que se passa.
Confundo risos com desespero,
Vida com cinema,
Amor com mentiras,
Amizade com superficialidade.
E sinceridade com hipocrisia.