31/10/2012

TEMPO


Não tenho muito a dizer,
Apenas que o tempo passa,
Ou melhor o tempo não passa,
Já que o tempo é simplesmente
O nada no qual nos acabamos,
O que passa,são as oportunidades,
As brincadeiras de criança,
O impeto da juventude,
Os sonhos de consumo,
O desejo de um grande amor,
Que vão ficando pequenos.
E o que resta é o trabalho,
Que não nos deixa fazer.
E o que resta é a academia,
Que nos faz levantar pesos,
Com a ilusão de movimento.
E o que resta são os cursos,
Que ensinam,
Como dormir bem,
Como beijar,
Como transar,
Como ser feliz,
Como fazer os outros felizes,
Como se relacionar,
Como se comportar,
Como andar,
Como arranjar um emprego,
Como manter o emprego,
Como comer para emagrecer,
Para continuar magro.
E o que resta,são as receitas.
De saúde,de bons modos,
De profissionalismo e de paciência.
E o que resta meus amigos?
O que fazer meu bem ?
Não me deixe acreditar,
Nesses malditos manuais.
Se for pra se acabar,
Que seja entre braços e pernas.

28/10/2012

ENCANTADOR.

  Adorei a foto,
o desenho dos corpos,
a encantadora criança,
 o senhor de braços cruzados,
 o soldado envergado.
 E a multidão como sempre,
 olhando para o lugar errado.




PULITZER 1958 – “Fé e Confiança” – Willian C. Beall.
Um policial conversa com um garoto de dois anos em pleno desfile em Washington DC, que tentava atravessar a rua.


27/10/2012

A BELEZA DE UMA MULHER.




A mulher mais linda,
Não é modelo ou a atriz,
Não é feita de maquiagem,
De roupas de marca,
De cintura fina e busto avantajado.
A mulher mais linda, 
É aquela que não se reduz a uma parte,
Que não precisa ser comparada,
Que não é mais ou menos,
Do que você deseja,
E mesmo assim,
Não se reduz ao seu querer.
A mulher mais linda,
É a simplicidade do encanto,
Por algo que é,
Simplesmente aquilo que se pode ser.

26/10/2012

ENSINAMENTOS GESTUAIS.


Um amor que persegue,
De longe de perto e amiúde,
Que faz refletir,
Que faz  ir,
A lugares que não se conhece,
Que faz querer ser melhor,
E ir além do egoismo,
Da  visão deturpada,
Das algemas lustradas,
Dos tranquilos sonhos,
Da realidade pequena.
Um sentimento que ensinou,
Que revoluções sem paixões,
Não mudam visões.



25/10/2012

QUANDO A LUZ APAGA


Quando a luz apaga,
E a gente fica só,
E não se pode ler,
E não se pode escrever.
É possível perceber,
Que a solidão,
Não se satisfaz sozinha.
Que o corpo não se contenta,
Com a distância.
Que os olhos podem até não ver,
E até melhor quando estão fechados,
Se fazendo parte do que é só contato.




CHEIRO DE COLA



Outro dia uma aluna me perguntou:
-Professor será que o mundo vai acabar mesmo?
Não entendendo o que se passava,tentei me localizar,
-Como assim ?
-É  que andam dizendo que o mundo vai se acabar.
Soltei um leve riso e falei;
- Meu bem, não se preocupe,problema mesmo é se continuar a existir.
Ela fez silêncio,todos a acompanharam.Ai peguei o livro de filosofia e pedi que todos abrissem na página 122. Explico  o conteúdo e passo a atividade. Três alunas entram em sala,sentam o mais distante possível do professor,que no caso sou eu e começam a cheirar cola. Posso até sentir o cheiro inebriante do composto Químico. E tudo parece se mover em uma velocidade lenta. Posso inclusive sentir a textura das paredes sem nem precisar toca-las. A campainha anucia o fim da aula,o monólogo termina e escuto de longe;
-Tchau professor
-Falou professor
Abro os olhos e não vejo mais ninguém. Até que uma enfermeira aparece e me pergunta,
-Como está ?
Não respondo absolutamente nada,só quero dormir e dormir e durmo.
Acordo com um peso de mulher sobre o meu peito. Ela se move por cima de mim. E começo a me mover com ela. Ela geme baixinho e percebo que estou acordado. As cores a minha boca molhada,aqueles seios a preencher minha visão. Me sinto vivo de novo, como desde criança não sentia. Ela pula e a cama parece ceder e o chão parece ceder e o meu corpo parece integrado ao mundo.

HISTÓRIA TOTALMENTE CRIADA,NÃO HÁ NADA BASEADO NO QUE POSSA SER CONSIDERADO COMO PERTENCENTE  A REALIDADE OU NELA INSPIRADA.

-

23/10/2012

ROTINA ALIMENTAR.


No centro da cidade do crato,as 18:00 h,
estava eu, sentado a espera de um sanduíche,
numa dessas lanchonetes, em que muda-se o nome da comida,
mas o gosto e os ingredientes, parecem ter o mesmo sabor,
que não se sabe bem qual é,já que o ketchup e a maionese,
tiram toda a sensibilidade do paladar e o que se tem,
são  dois pães,com alguma coisa no meio.
Mas de todo modo não era sobre isso que queria falar,
mas das pessoas que passavam,
vindas do trabalho,indo para a academia,
para a universidade ou simplesmente vagando,
sem saber para onde ir e quando chegar.
Sempre fico curioso em saber,
o que faz as pessoas fazerem o que  fazem,
É uma forma de refletir sobre mim mesmo,
de desorganizar o meu mundo simbólico.
No fim da análise,nunca chego a uma consideração,
mais ou menos conclusiva,apenas vagas hipóteses.
E por alguns minutos esqueço,que estou ali,
a espera de dois pães com alguma coisa no meio,
que tenho até medo de olhar para ver o que é.
Talvez um daqueles ratinhos peludos,
que a gente corre com medo.
Não importa, o ketchup tira o gosto.
Enquanto mastigava,as pessoas continuavam  passando,
mas não me interessavam mais que o meu camundongo,
Banhado ao moho de maionese com sangue de menstruação,
Das garçonetes,que iam e viam,enquanto eu comia.


CAVALHEIROS.




CAVALHEIROS A VIDA É MUITO CURTA... SE NÓS VIVEMOS, VIVEMOS PARA ANDAR SOBRE A CABEÇA DOS REIS.

WILLIAM SHAKESPEARE.


Cavalheiros,a vida é muito curta,
                           é muito longa,
Para fazer da escravidão,
                da servidão,
                da compaixão,
                do medo,
Um modo de vida.
Cavalheiros,se é pra viver,
Que seja para andar,
Sobre a cabeça dos patões,
                          dos donos do mundo,
                          dos homens de boa conduta,
                          das senhoras conservadoras,
                          dos fundadores das religiões,
                          Enfim dos amantes da servidão.

Felipe Richard.
                       

21/10/2012

GOSTO DO OLHAR


Gosto de olhar pra você,
De não saber o que é certo ou errado,
Gosto quando por um segundo seu olhar passa,
E perpassa o que não sou mais,
Gosto do jeito que fala,
Quando estou distante e não posso ouvir,
Gosto do gôsto que desperta,
Quando disfarço sentir,
O que deveras sinto em não sentir.
Gosto da cicatriz em teu rosto,
Esta que inventei, pra não ser tão perfeita,
Ou mais perfeita, que a perfeição que desconfio.
Gosto da vontade que desperta,
De lhe tomar nos braços,
Sem lhe falar uma palavra,
Pois as palavras,quando tenho você por perto,
São só palavras,não dizem nada,
Não tem conteúdo, substância,
São de menos, para ao menos representar,
O que a palavra gostar é incapaz de manifestar.




PERFEIÇÃO



Quanto mais se procura a perfeição, mais se perde o contato com o chão. Torna-se solitário, isolado de tudo e de todos. Preso ao que não se criou. Abraçado a um material inerte e sem a possibilidade de diálogo e de desconstrução. A tendência natural do ser humano, com sua racionalidade e com a mania de transcendência é a de afastar-se do mundo, como ele é. No fim, não consegue-se esse afastamento do mundo e de seus acidentes,já que ele é a substância que possibilita a ação. E a abstração acaba elevando o indivíduo de tal modo,que o mesmo fica mais próximo de uma ilusão divina que das relações, que mesmo imperfeitas,são expressões do prazer que podemos provar.

20/10/2012

TEU JEITO PARTICULAR DE SENTIR



Posso sentir teu desespero, tua dor,
Não,só a criança que é, sabe o que se passou,
Com tuas lágrimas de sangue,
Com teus mortos ao redor,
O que era o mundo e em que se transformou.



       Fotógrafo afegão Massoud Hossaini, autor da imagem vencedora do prêmio Pulitzer ao registrar o choro de Taraneh Akbari, depois de um ataque suicida em um templo lotado em Cabul, capital do Afeganistão, no dia 6 de dezembro de 2011.
"Toda a minha concentração foi para tentar capturar o momento. Então eu vi um monte de roupas coloridas e uma menininha, que eu tinha visto antes da explosão. Ela estava gritando em meio ao medo e ao caos. Ela estava cercada de corpos ensanguentados da família dela e amigos". 
       Mais de 70 pessoas foram mortas na explosão, que coincidiu com o festival muçulmano xiita Ashura e foi o mais grave ataque suicida em Cabul em 2011.

POETA


O poeta é aquele que ver,
Senti e  não quer sentir.
Se embriaga com o vivido,
Não entende, e
Escreve como quem bebe vinho.
O poeta  é amor,ódio,
Distração e delírio
Tudo ao mesmo tempo,
E sem saber.
O poeta não faz poesia,
É feito por ela,
E se desfaz nas palavras,
Que encaminha ao papel.
O poeta é um tolo,
Averso do sábio que pensa ser.


16/10/2012

GOSTO.




Se não gostou,
Sinto muito,
Mas não tanto,
Quanto vai sentir,
Quando aprender a gostar.

HÁBIL.


A inteligência de uma mulher,
Sempre carrega um teor de beleza,
Toda mulher hábil no pensamento,
Atrai duas vezes,
Pela beleza,
E pela sabedoria de sua beleza,
E pra isso, nem precisa entender.


Foto de Clarice Lispector
Texto: Felipe Richard

15/10/2012

INSÔNIA



O mundo tem sete bilhões de pessoas,
Registradas,catalogadas e ignoradas por mim,
Em quase toda a sua totalidade,
E por causa de uma delas, não consigo dormir,
Não consigo pensar em outra coisa.
Já me consultei com todos os poetas,
Médicos nenhum,não tenho doença, e dinheiro pra pagar,
O que tenho é um calor que não aquece,
E um copo esvaziado que não serviu de nada,
Maldito sejam as mulheres lindas,loiras e de olhos azuis,
Menos obviamente aquela que me deixa nesse estado,
Porque essa, eu agradeço todos os dias por existir,
Agradeço sem saber a quem, onde e quando,mas agradeço,
Ela é a ex namorada que não tive,
Que desabafei tudo,sem dizer uma palavra.
Uma mulher dessa, deve ter mais desprezo por mim,
Do que pela caspa de seus lindos cabelos,
Já que as caspas causam um tipo de incomodo,
Que bem ou mal, incomoda,
Quanto a mim que só sei escrever, e mal,
Num mundo de analfabetos letrados,
Pareço estar em desvantagem,quando me comparo a caspa.
Mas de todo modo,não consigo dormir,
E a culpa é dela,pode ter certeza,
Mas já sei o que vou fazer,
Vou envia-lhe um buquê de rosas,
Com duas ou três palavras que a façam dormir,
Quando o corpo estiver adormecido,
Vou toma-la nos braços e leva-la para uma ilha,
Quando acordar, contarei toda a verdade,
Que não sei o que aconteceu,
Que não sei o que vai acontecer,
E não não me importa o que vai acontecer,
Que por algum motivo nós estamos juntos,
A dois a sós e com cinco minutos para nos entender,
Antes que o rapaz do barco retorne,
Cobrando o dinheiro que não tenho.

14/10/2012

NOVO OLHAR.



Antes, considerava a vida,
excremento de enfermos 
E reclamava de assim ser,
Agora não...parei de choramingar,
De ficar maldizendo o mundo,
Não adianta,
Não vale a tinta,
Nem o papel
Se é o ridículo que aparece,
É o patético a matéria da arte,
E sou parte deste hospital ,
Fui expulso do corpo, 
para um corpo me tornar,
E aqui estou,e vou ficar, 
e vou ri e chorar,
E cair na gargalhada até dormir,
E acordar. E ei de olhar o mundo,
Sempre como se fosse a primeira vez,
Num eterno retorno ao mesmo e ao novo.

11/10/2012

SIMPLESMENTE CRIANÇA.



Toda criança tem direito a ser criança,
A ser pequena na grandeza da infância,
A ser atenta as insignificâncias da vida,
Até quando se fizer dor a de ser imaginada.

Toda criança tem direito ao seu mundo,
Ao egocentrismo coletivo de si e dos outros,
De não se importar em tornar-se adulto e perder o encanto,
E se encontrar ao se perder no olhar que senti.

Toda criança tem o direito de não ter direito,
E mesmo assim ser respeitada em seu modo particular ,
Em seu destrato a ignorância dos professores,
Dos mestres e doutores, que perderam o prazer.

A vida sem infância é só vida e morte,
É burocracia,tédio e perda de tempo,
A infância é o período da liberdade sem respeito,
Sem vontade de crescer de se tornar qualquer coisa.

A infância é  vida que desdobra-se em si,
É o momento que não projeta sonhos,mas os realiza,
Ser criança é olhar o mundo,enquanto parte dele,
No instante em que tudo se dilui em massa de modelar.

10/10/2012

MINHA ÁGUA GELADA






Eu preciso de você como d' água,
Como da geladeira pra gelar a água,
Como da garrafa para guardar a água
Como da caneca para não beber na garrafa,
Eu preciso de você,
Para que meu peito não gele como a água.
Para que caneca, garrafa e geladeira não fiquem vazias.



08/10/2012

DEVAGAR E SEM DIREÇÃO



Não sei muito sobre a vida,
E não sei quanto tempo leva pra saber,
Só sinto que às vezes cansa,
E quase sempre não conseguimos,
E quando acontece, logo perde-se o encanto.
Devagar e sempre, envelhecemos,
E na velocidade frenética, perdemos os instantes.
Seduzidos pelas paixões tem-se algo,
Apegado à vida perde-se esse algo.
Sofre-se, dorme-se, inventam-se realidades,
Disfarça-se o que não se senti,
Ganha-se fortunas,
E perde-se o apreço,
Pelo que não tem preço.

DESENHO


Eu te recriei,
Para ter um pedaço,
Um fio do teu cabelo,
Enlaçando meu sonho a realidade.
Eu te fiz minha, sem contrato,
Sem cobranças e aborrecimentos futuros.
Eu te fiz parte da minha vida,
Para não ser necessário,
Compartilharmos a morte.
Te desenhei com a minha falta de talento,
E me fiz ridículo e atento ao que não passa.
Os traços do teu rosto,do teu corpo do teu dorso,
Do teu manso e atrevido andar,não soube fazer.
A imperfeição é sempre perfeita em seus detalhes,
Em seus mais pequenos acidentes.
O que não foi visto,inventado se fez,
O que não foi percebido,
Pouco importa,em face do que foi.
Agora,aqui tenho em mãos, o seu desenho,
Você não está nele,mas eu estou.

07/10/2012

O SORRISO DELA


Que belo sorriso moça,
É preciso força,pra sorri,
Quando a tragédia bate a porta.
E você sabe fazer isso como ninguém,
Tem mais vida em seu sorriso,
Que em todos os programas de TV,
E olha que o seu é de verdade,
Percebo em sua face rosada.
E olha que só te vi duas vezes,
E agora na terceira quando imaginei.

06/10/2012

PEÇA


A vida é uma  peça,
Quando a gente é criança,sabe,
Quando se torna adulto,esquece.
As coisas ficam sérias,
Desaprendemos a dizer sim a vida,
E nos tornamos  brinquedos,
De um jogo em que somos as peças.
Jogadas de um lado para o outro,
Em um tabuleiro que nos afasta,
De quem queremos estar próximos.
Só desejo que ela leve a sério,
Sem perder o sorriso,
Quando digo;
Que ela é parte do meu jogo,
Que não criei,que disse não,
Que preferi sonhar,que viver como adulto,
Aquilo que só se sabe,quando é criança.



02/10/2012

VENDO O QUE SE VER.


Os momentos de solidão são indispensáveis,
Mas não são nada,
Sem aqueles segundos,
Em que conseguimos compartilhar,
Um pedaço de realidade que seja.
Tudo se torna tédio sem esses segundos,
Em que nosso olhar é arrebatado,
Por uma vontade de estar junto, no ato de ver.
Vendo o que se ver, somos vistos,
 E só, somos mais que um,
Somos partes ao nos perdemos,
Do que eramos,quando estávamos sós.