15/10/2012

INSÔNIA



O mundo tem sete bilhões de pessoas,
Registradas,catalogadas e ignoradas por mim,
Em quase toda a sua totalidade,
E por causa de uma delas, não consigo dormir,
Não consigo pensar em outra coisa.
Já me consultei com todos os poetas,
Médicos nenhum,não tenho doença, e dinheiro pra pagar,
O que tenho é um calor que não aquece,
E um copo esvaziado que não serviu de nada,
Maldito sejam as mulheres lindas,loiras e de olhos azuis,
Menos obviamente aquela que me deixa nesse estado,
Porque essa, eu agradeço todos os dias por existir,
Agradeço sem saber a quem, onde e quando,mas agradeço,
Ela é a ex namorada que não tive,
Que desabafei tudo,sem dizer uma palavra.
Uma mulher dessa, deve ter mais desprezo por mim,
Do que pela caspa de seus lindos cabelos,
Já que as caspas causam um tipo de incomodo,
Que bem ou mal, incomoda,
Quanto a mim que só sei escrever, e mal,
Num mundo de analfabetos letrados,
Pareço estar em desvantagem,quando me comparo a caspa.
Mas de todo modo,não consigo dormir,
E a culpa é dela,pode ter certeza,
Mas já sei o que vou fazer,
Vou envia-lhe um buquê de rosas,
Com duas ou três palavras que a façam dormir,
Quando o corpo estiver adormecido,
Vou toma-la nos braços e leva-la para uma ilha,
Quando acordar, contarei toda a verdade,
Que não sei o que aconteceu,
Que não sei o que vai acontecer,
E não não me importa o que vai acontecer,
Que por algum motivo nós estamos juntos,
A dois a sós e com cinco minutos para nos entender,
Antes que o rapaz do barco retorne,
Cobrando o dinheiro que não tenho.