29/04/2013

Liberdade é perder o que nunca se teve.



A noite o céu não é azul,
E a lágima não sai de dentro,
Não é tristeza nem alegria,
Não é alívio nem dor
O escuro da noite,
Revela o que a luz queima.

Por um segundo o peso da vida,
O mundo não é o mesmo de antes,
A fissura rasgou a carne sem ferir,
E todos os sonhos agora sonham sozinhos.

Nada se alterou e tudo ficou estranho ,
O olhar perdeu a cor,o brilho cegou,
E o cego agora tem nome e sobrenome,
Escrito num registro,
Numa página da web ,
Quem era e agora quem sou ?
Liberdade é perder o que nunca se teve.