08/08/2013

AMOR COMUM


Amor comum.
E sem sobressaltos,
Era isso que esperava,
Agora curta o momento,
Ele será como os outros.
E cada novo dia se fará 
mais velho que o anterior,
E nada lhe salvará do tédio.
O mesmo jogo todos os dias,
As peças enferrujadas pelo tempo,
Os olhos cansados da paisagem,
Os sonhos mortos e soterrados ,
A prole crescendo e sugando o sangue,
A casa como reino pobre 
e empestado de doenças,
A cama fria e sem aconchego.
Tudo velho e pútrido,
E da esperança rançosa .
Só a morte a salvará,
E há de demorar
quanto mais a espere.