14/11/2013

NO MOVER DA NOITE


Quando chega a noite,
E adentra a madrugada,
Faz um silêncio,
cortado pelas buzinas,
por vozes que ecoam ,
sons de sobreviventes,
e suspiros dos esgotados.
No mover da noite,
descansa-se do sol,
da vida e do trabalho.
Os sonhos aparecem,
e na mesma ruptura.
desfazem-se.
No calar da noite,
Procura-se aconchego,
em outros casos,
a mais total solidão.
O dia é da rotina,
A noite da repetição.
O dia é da velocidade,
A noite da lenta passagem.
No dia devoram-se ,
Na noite um pouco do gosto.
De dia, a luz, cega,
De noite a escuridão ilumina.
O dia, dos negócios,
A noite do prazer do resto.
De dia os personagens,
A noite a dupla face.
Quando a noite encontra o dia,
O dia não encontra a noite.