19/06/2014

FILHOS DA REVOLUÇÃO




Filho da burguesia ,
Na viagem do desespero,
A um passo da estação final,
Velho, mísero cego.

Vitimado pelo amor,
Acredita no futuro,
Mas tem medo de chegar,
Velho,mísero cego.

Prisioneiro dos opostos,
Tentando escapar da desgraça,
Escolhe sempre o pior,
Velho, mísero escravo.

Espécie dominante da superfície,
Aprendeu a falar a seus poucos,
Mas desconhece a língua das formigas,
Velho,mísero escravo.

10/06/2014

CÓPIAS E RECORTES


Nada de esperança,
O sonho acabou,
O pai morreu,
E o artista que nada produz,
De frente a TV, 
Masturba-se,
Assistindo filmes de necrofilia.