07/07/2014

MEU GOSTO


Gosto do que é estranho e sem medida, condenado pela maioria,do que violenta o bom gosto e estupra todo bom senso. Gosto do nada, do leve cortar da lâmina do tempo. Gosto do pecado e do doente que conhece a cura na própria doença. Gosto do choro que não pede clemência, da lágrima sem público, do beijo sem compromisso e pedido de desculpa. Gosto do amor, mesmo conhecendo o horror de sua realidade.