19/09/2014

MATAS ILÍCITAS





Que o brilho dos olhos
E o verde das matas ilícitas
Invadam a lógica da prisão
Que a lágrima vislumbre a beleza
A dor não corte as asas do voo
E no salto haja dança e vinho.