03/01/2015

PELE E VINHO



E o que posso dizer,
Palavras perdidas no nada,
Poeira de versos soltos,
Mentiras bem contadas,
Dois dedos do passado.

Mas você vai saber,
O que diz o silêncio
O que conta o olhar,
A expressão das lacunas,
A força do abraço.

O bom senso não suporta
As sandices se atraem,
Os amores são loucuras
Alguns valem
Outros definham.

Não deixe o amor morrer antes,
Nem morra por causa dele
Não viva sem aquele frio aquecido,
Nem fuja para lugar seguro,
Pois a pele não é vinho.