18/01/2016

Noite



Jan Saudek


Amanha acordarei tarde
Visitarei os monstros da TV,
Imaginarei a liberdade do voo,
Enquanto tento abrir os olhos.

Amanha seremos felizes,
Mesmo que um pouco mais velhos,
E com flores mortas nas mãos
Tentaremos dormir em paz.

Agora estou triste
De braços com uma raiva contida,
Porque você só passa,
Quando o vinho tem acabado.

Agora não sei explicar,
Os cães latem de fome.
E sob o brilho das estrelas,
O balanço engana os sentidos.